(88) 9 9803-4666

Brasil

Pagar dívida atrasada ou com juro alto é prioridade

Publicada em 24/11/14 as 13:54h por Folhapress


Compartilhe
   

Link da Notícia:

O 13º salário pode ser utilizado para pagar as dívidas que o consumidor fez ao longo do ano  (Foto: MAURI MELO)
Quando a pessoa tem dívidas com juros altos ou em atraso, o recebimento do 13º salário deve ser encarado como oportunidade para regularizar a situação financeira.

A prioridade deve ser débitos vencidos e não pagos, especialmente se o devedor estiver com o CPF inscrito em cadastros de restrição de crédito, para "limpar o nome". Nesse caso, é preciso consultar o serviço de crédito para identificar quem é o credor que levou ao cadastro.

A seguir, o consumidor deve procurar o credor e propor a quitação da dívida. "O ideal é procurar o credor com uma proposta e sabendo o quanto pode pagar", diz Fernando Cosenza, diretor de Sustentabilidade da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Segundo o executivo, é frequente o consumidor não fazer as contas de quanto consegue pagar antes de negociar o débito. Com isso, a pessoa acaba assumindo um compromisso que não consegue honrar depois.

"É comum empresas fazerem campanha de renegociação de dívidas nessa época do ano", diz Vander Nagata, superintendente da Serasa Experian.

Se não está com nome sujo, mas tem financiamentos com juros altos, como cheque especial e cartão de crédito pessoal, o consumidor pode aproveitar o recurso extra para quitar tais dívidas ou ao menos renegociá-las com taxas melhores.

INSS
A segunda parcela do 13º salário para os segurados da Previdência Social começa a ser paga hoje. O pagamento ocorre juntamente com os depósitos dos benefícios referentes à folha de novembro e segue até o dia 5 de dezembro. Ao todo; 27,6 milhões de benefícios terão direito ao 13º salário. Serão investidos R$ 14,4 bilhões nesta parcela da gratificação natalina.

Os depósitos começam hoje para os segurados que recebem até um salário mínimo e possuem cartão com final 1, desconsiderando-se o dígito.

Quanto aos profissionais liberais, este grupo não é obrigado a contribuir para a Previdência Social e pode direcionar o dinheiro para investimentos que vão garantir uma renda mensal na aposentadoria. Mas os fundos de previdência privada substituem as contribuições para Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A aposentadoria do INSS, impactada pelo fator previdenciário -índice que reduz o benefício de quem se aposenta cedo - é pequena, afastando o interesse de parte dos profissionais.

Mas, por outro lado, o instituto oferece outros pagamentos em caso de incapacidade de trabalho. Neste caso, a contribuição ao INSS poderia funcionar como um "seguro", tanto para quem tem carteira assinada como para os profissionais liberais.

Um desses "seguros" é o auxílio-doença, com valor equivale a 91% do salário de benefício (uma média de R$ 4.390,24) e é pago enquanto o trabalhador estiver afastado, após análise feita por um perito do INSS.

Esse auxílio não exige carência mínima de pagamentos. Ou seja, se o autônomo fizer uma contribuição hoje e amanhã se acidentar terá direito ao benefício se ficar afastado do trabalho por mais de duas semanas.

Se a incapacidade for permanente, o trabalhador passará a receber a aposentadoria por invalidez.

Salário-maternidade
Há ainda o salário-maternidade, recebido durante quatro meses a partir do 8º mês de gravidez ou da data do nascimento da criança. Também têm direito ao benefício as mulheres e os homens que adotarem uma criança.

A carência é de dez meses para contribuintes individuais --não existe esse tipo de restrição para trabalhadores com carteira assinada.

Também há outra diferença entre autônomos e empregados formais. O pagamento a quem tem carteira assinada é limitado ao teto do salário dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Para autônomos, o limite é o salário de contribuição.



Enquete
O mais importante para sua felicidade:

 O Trabalho
 A família
 Os Amigos
 A Diversão







LIGUE E PARTICIPE

88 36262266

Visitas: 18805
Usuários Online: 63
Copyright (c) 2019 - Rádio Tabajara FM